Investir no modelo brasileiro de educação pública não dá retorno


Salário dos professores teve aumento de mais de 100%,
mas a qualidade do ensino piora nas escolas públicas
Em nossa sociedade existe uma crença generalizada e frenética tão enraizada na mentalidade popular de que se o governo gastar mais em educação pública, então, fatalmente, ela vai melhorar. Mesmo diante de uma gama de evidências que desmentem, os arautos insistem negar a realidade num fenômeno semelhante à dissonância cognitiva.

Os apóstolos dessa ideologia pedem agora que o Brasil destine 10% do seu PIB para a educação pública, que o salário do professor seja alto e o ensino seja em tempo integral. Segundo eles, com essas três medidas o país se tornará rico, os problemas serão sanados e haverá qualidade de vida.

É evidente que o ensino é fundamental para o desenvolvimento do país, contudo para que ele seja de qualidade não fica implícito que se adote as propostas dos missionários dessa ideologia.

Nos últimos anos o governo quintuplicou os recursos do PIB para a educação. Enquanto o percentual de gastos públicos com educação dos países ricos é de 13%, o Brasil gasta quase 20%. Os países ricos destinam em média 5% do PIB, nós destinamos quase 7%. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil é o sexto país que mais investe em educação (dado de 2010, quando o governo investia ainda 5% do PIB).

O mesmo ocorre em relação ao salário do professor. Embora haja greve pedindo aumento salarial todo ano no país, a evolução do ganho do docente é acima da média. Um professor ganhava 114% a mais em 2013 do que recebia em 2005, em 2014 teve aumento de 8,32% e neste ano um reajuste de 13,01%, enquanto o salário de outros profissionais com a mesma escolaridade diminuiu 1,63% de 2005 pra cá.

Os que querem mais gastos públicos em educação alegam que, embora o país gaste muito com educação, o gasto por aluno é menor do que nos países ricos. Isto é um fato inegável, contudo, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) o gasto do governo por aluno teve aumento de 250%. Um aluno de escola pública custa R$4.267,00 ao Estado, enquanto a mensalidade da escola que ficou em primeiro lugar no Enem não chega a dois mil reais. A segunda colocada, por exemplo, tem mensalidade de R$845,00.

Nesse período de aumento de gasto com o modelo de educação pública os resultados pioraram. O número de alunos matriculados no ensino básico caiu 12%. No quesito qualidade de ensino frente ao mundo, o Brasil também piorou. Em 2000, ocupávamos a 32ª colocação e em 2012 ocupamos a 57ª posição na avaliação do PISA. De 2009 para cá, os alunos brasileiros pioraram sua capacidade de leitura. Quase metade dos brasileiros são incapazes de deduzir informações do texto, estabelecer relações entre diferentes partes do texto e não conseguem compreender nuances da linguagem. Segundo o IBOPE 75% da população brasileira não possui domínio da leitura, da escrita e das operações matemáticas e um pesquisador brasileiro da PUC/DF concluiu que mais da metade dos universitários são incapazes de compreender um texto.

Percebe-se, portanto, que, o problema da educação brasileira não é a falta de recursos, mas justamento o investimento excessivo do governo neste setor, cujo objetivo é, predominantemente, satisfazer as ideologias de um grupo organizado apenas para ter benefícios políticos. Ideologias estas, sem nenhuma conexão com a realidade. Definitivamente, não precisamos que o governo faça a loucura de destruir por inteiro a nossa economia - que já não é boa - comprometendo um décimo do nosso PIB, nem de aulas em horário integral e nem de um aumento salarial para todos os professores.

http://globotv.globo.com/rede-globo/dftv-2a-edicao/v/pesquisador-conclui-que-mais-de-50-dos-universitarios-sao-analfabetos-funcionais/2262537/

http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/cni_estatistica_2/2015/01/14/32/CompetitividadeBrasil_2012.pdf

http://www1.folha.uol.com.br/infograficos/2013/09/76158-o-aumento-dos-gastos-publicos-com-a-educacao.shtml

http://dinheiropublico.blogfolha.uol.com.br/2013/09/22/gasto-por-aluno-do-ensino-basico-cresce-acima-de-100-em-apenas-seis-anos-gracas-a-mais-gastos-e-menos-alunos/#

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/09/140908_relatorio_educacao_lab

http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs/coluna/134975_COMO+INVESTIR+EM+EDUCACAO

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/06/130625_educacao_brasil_ocde_mb_cc

http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2013-02-14/avanco-na-educacao-no-brasil-e-mais-lento-que-aumento-no-investimento.html

http://revistaeducacao.uol.com.br/textos/191/quanto-vale-a-valorizacao-docentea-discrepancia-do-salario-pago-aos-278804-1.asp

http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-e-o-60-colocado-em-ranking-mundial-de-educacao,1686720

http://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_Internacional_de_Avalia%C3%A7%C3%A3o_de_Alunos

http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/12/03/pisa-desempenho-do-brasil-piora-em-leitura-e-empaca-em-ciencias.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Analfabetismo_funcional

http://direcionalescolas.com.br/2015/03/03/analfabetismo-funcional-uma-realidade-brasileira/

http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/11/23/mensalidade-das-10-melhores-escolas-do-enem-2011-chega-a-r-3253.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário