NÃO ADOTE UM CORRUPTO DE ESTIMAÇÃO



Algumas pessoas enxergam o mundo "preto e branco", "bem versus mal", contudo há coisas que acontecem que só podem nos fazer bem. Uma delas é quando dois políticos brigam.

O CRESCIMENTO DO ESTADO ISLÂMICO NA FRAQUEZA POLÍTICA DE OBAMA


Samuel Farias -
A fraqueza de Obama colabora para expansão do terror
Barack Obama venceu a eleição nos Estados Unidos prometendo retirar as tropas norte americanas do Iraque. Após um longo período de intervenção do país sob comando de George W. Bush no Oriente Médio combatendo e enfraquecendo a AlQuaeda na região e estabelecendo um governo democrático no Iraque, o Democrata Obama decidiu que a guerra era inútil, retirou as tropas e, como circo, matou Osama Bin Laden.  A decisão trouxe muitos ativos políticos ao presidente, mas também trouxe a baila no cenário geopolítico o surgimento do proto-Estado Islâmico, uma força ainda mais radical e perigosa que a AlQuaeda, e vê o país perder relevância militar e política para a Rússia de Vladimir Putin.

A PERSISTÊNCIA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NA SOCIEDADE BRASILEIRA

Samuel Farias - Simone de Beauvoir
A violência contra a mulher existe. Há abundância de estudos, pesquisas, relatos e reportagens que comprovam que esse mal ainda não foi extirpado da nossa sociedade. Muitas ideologias surgiram para explicar a existência desta violência e propor soluções. Dentre tantas ideologias, uma ganhou força nas últimas décadas: a ideia de que a causa seria que supostamente vivemos em uma sociedade patriarcal que oprimiria as mulheres e que somente a intervenção do Estado poderia mudar esse panorama.

A Estratégia de Eduardo Cunha


A mitologia grega nos brinda com a história de Midas, um rei que conseguiu do deus Baco o poder de transformar tudo que tocava em ouro. Num primeiro momento, tamanho poder, é claro, lhe trouxe grande alegria, contudo logo ele percebeu que não poderia tocar em nada e nem em ninguém e que, portanto, esse poder seria a razão da sua própria morte. Caso semelhante vive o Presidente da Câmara, o poder que lutou para conseguir está em suas mãos, mas a execução pode representar o seu fim político.

A Oposição?


Dizem, as más línguas é óbvio, que o PT tem no PSDB o principal apoio para consolidar seus objetivos de poder. E isto é, no mínimo, curioso, sobretudo, tendo em vista, que o ninho tucano é o maior interessado e aquele que seria automaticamente beneficiado em impedir a concretização desse plano.

A Estratégia do governo Dilma

Samuel Farias - Eduardo Cunha e Dilma
Tal qual Roberto Jefferson em 2003, Eduardo Cunha é um daqueles personagens que fazem eclodir a realidade do que é a política. Sua ascensão trouxe, pela primeira vez, de fato, instabilidade ao projeto petista de poder. O seu perfil agressivo e pragmático e sua forma, digamos, "franca" de fazer negócio acuaram o governo, mas caminham para um acordo que preserve a ambos.

O personagem do impeachment


A esquerda brasileira, ao perceber o barulho causado pelas ações de Eduardo Cunha contra o PT na Câmara dos Deputados logo o apelidou de Frank Underwood. O personagem inteligente e – por que não? – carismático da série da Netflix que age sem ética em busca do poder.

Apesar de ser um apelido, do ponto de vista político interessante, Eduardo Cunha está longe de ser semelhante ao personagem interpretado pelo ator Kevin Spacey. O Presidente da Câmara dos deputados é bem menos sutil e discreto que o protagonista de House of Cards e suas ações são mais previsíveis. Na verdade Eduardo Cunha tem um estilo político semelhante a de Cercei Lannister, de outra série, ainda mais popular, Game Of thrones. Tanto Cercei, quanto Cunha, são reativos, explosivos e dificilmente recuam. Mesmo os acordos de aliança estabelecidos são feitos em forma de ataque, seja pela força, seja pelo dinheiro, seja pela posição de poder.

OS ERROS DEVEM SER INDIVIDUALIZADOS


O futebol olímpico, que não possui nenhum vínculo com a FIFA, é a prova de que o futebol, enquanto esporte, não pertence a instituição suíça e que qualquer pessoa ou instituição pode criar torneios a sua revelia. A FIFA tem um caso de gestão eficiente de um espetáculo esportivo que gera enorme valor sobre os concorrentes, o qual estamos tão familiarizados, que associamos o tipo de espetáculo a quem o promove.

ATÉ LOGO IMPEACHMENT


Apesar de o recuo ter gerado constrangimento e enfraquecimento da imagem do Senador Aécio Neves junto a uma parte do seu eleitorado, o PSDB agiu corretamente em desistir - ao menos por ora - do pedido de impeachment da Presidente Dilma. O partido tinha muito mais a perder, do que a ganhar.

A POBREZA DO DEBATE SOBRE A DELINQUÊNCIA JUVENIL NO BRASIL


Samuel Farias - Delinquência Juvenil
O homem nunca teve rumo. Em todo o tempo ele procurou explicações sobre a sua existência e as questões que o cercam, mas nunca soube aonde procurá-las. Inventou a roda, o avião e as chamadas de vídeo a longa distância de um aparelho celular, porém jamais conseguiu resolver os enigmas mais importantes da vida. Não há consenso, exceto em grupos que se isolam e, consequentemente, se opõem, contudo esse consenso se dá por meio de uma compreensão unilateral da questão. A mente do homem tem dificuldade para unificar o que está em oposição. Geralmente optamos por uma das alternativas e, deste modo, não vemos como - não raro - elas se completam.

Investir no modelo brasileiro de educação pública não dá retorno


Salário dos professores teve aumento de mais de 100%,
mas a qualidade do ensino piora nas escolas públicas
Em nossa sociedade existe uma crença generalizada e frenética tão enraizada na mentalidade popular de que se o governo gastar mais em educação pública, então, fatalmente, ela vai melhorar. Mesmo diante de uma gama de evidências que desmentem, os arautos insistem negar a realidade num fenômeno semelhante à dissonância cognitiva.

Os apóstolos dessa ideologia pedem agora que o Brasil destine 10% do seu PIB para a educação pública, que o salário do professor seja alto e o ensino seja em tempo integral. Segundo eles, com essas três medidas o país se tornará rico, os problemas serão sanados e haverá qualidade de vida.

O perfil do médico brasileiro - Como é? por que é? Precisa ser assim?


O CREMESP traçou o perfil dos recém-formados em medicina em São Paulo e constatou que o perfil do médico paulistano é mulher, jovem, branca, que apenas estudou, e, cuja renda familiar menos de 3% da população brasileira tem acesso.

Não há problema algum em ricos escolherem uma profissão e nem em haver ricos, o país precisa de mais ricos e de que mais brasileiros se profissionalizem.