Dilma - O discurso na ONU


Certa vez em uma visita a uma comunidade muito pobre no nordeste brasileiro com a ONG que fundei conheci um menino, cujo nome vou preservar, que vivia em grave situação de vulnerabilidade social. A família não possuía as mínimas condições de prover as refeições e ele ficava dias sem se alimentar. Na ocasião ele me contou que para enganar a fome bebia água, pois quando ingeria o líquido ele ficava com a barriga cheia e tinha a sensação de que estava saciado, contudo ele precisava dos nutrientes dos alimentos.

O discurso da Dilma na Assembléia das Nações Unidas satisfez os brasileiros. Todos nós gostaríamos de dizer algumas verdades aos americanos que invadiram nossa privacidade e acessaram informações pessoais sem permissão. Quem esses americanos pensam que são? O Obama acha que é o rei do mundo? Qualquer discurso brando, vago ou menos agressivo seria tido por nós como imoral e acarretaria um enorme dano eleitoral a petista, mas ela não deu esse gostinho a oposição, afinal ser anti-americano, em período eleitoral da voto.

Dilma e o dilema do líder


Me recordo que na minha infância, um período de grande pobreza, nós só não passávamos fome devido ao salário do meu pai, o único que trabalhava, em uma família grande, em tempos difíceis cujo emprego era coisa rara.


Meu pai, hoje um septuagenário, é um homem orgulhoso, honrado e altivo. Certa vez fui a seu trabalho e presenciei uma cena horrível em que o seu patrão o humilhava. Eu, ainda moleque, intervi na defesa do meu progenitor e o seu chefe o desmoralizou pra mim, na sua frente, que cabisbaixo fez sinal para que eu não insistisse e aceitou calado aquela humilhação.