CARANDIRU - APENAS UM INOCENTE

Há uma esquerda criticando a anulação do julgamento dos policiais envolvidos no episódio no Carandirú, o problema é que, em termos de coerência, a anulação se fundamenta no mesmo valor usado para condenar a ação policial. São as normas e garantias dos direitos humanos que são evocados para proteger os policiais da ação do Estado.

ANARCOCAPITALISMO E CONSERVADORISMO


Recentemente a internet se agitou com uma discussão entre Raphael, do canal no YouTube, Ideias Radicais e o Nando Moura que começou a partir de uma discussão acerca da necessidade (ou não) de regulamentação estatal por meio de dispositivos legais que garantiriam o capitalismo, tema fundamental numa discussão entre conservadores e Anarcocapitalistas, contudo extrapolou essa questão e foram abordados muitos outros que tornaram o debate intelectualmente pobre. Neste texto eu procuro trazer o pensamento do Raphael, não a fim de refutá-lo, e sim de problematizá-lo contextualizando com a visão conservadora, com o intuito de refinar a discussão.

Lugar de homem é na cozinha


O Big Brother está longe de ser um retrato fiel da nossa sociedade, contudo é possível detectar, por alguns comportamentos presentes em varias edições tendências na sociedade. Uma delas, pouco percebida, embora cada vez mais comum na nossa sociedade, é a presença e familiaridade de homens na cozinha.

É de conhecimento público que as mulheres ocuparam predominantemente o serviço doméstico por séculos. Isso gerou em algumas pessoas a ideia equivocada de que a mulher é, sozinha, responsável, absolutamente, pelos afazeres do lar. 


NÃO ADOTE UM CORRUPTO DE ESTIMAÇÃO



Algumas pessoas enxergam o mundo "preto e branco", "bem versus mal", contudo há coisas que acontecem que só podem nos fazer bem. Uma delas é quando dois políticos brigam.

O CRESCIMENTO DO ESTADO ISLÂMICO NA FRAQUEZA POLÍTICA DE OBAMA


Samuel Farias -
A fraqueza de Obama colabora para expansão do terror
Barack Obama venceu a eleição nos Estados Unidos prometendo retirar as tropas norte americanas do Iraque. Após um longo período de intervenção do país sob comando de George W. Bush no Oriente Médio combatendo e enfraquecendo a AlQuaeda na região e estabelecendo um governo democrático no Iraque, o Democrata Obama decidiu que a guerra era inútil, retirou as tropas e, como circo, matou Osama Bin Laden.  A decisão trouxe muitos ativos políticos ao presidente, mas também trouxe a baila no cenário geopolítico o surgimento do proto-Estado Islâmico, uma força ainda mais radical e perigosa que a AlQuaeda, e vê o país perder relevância militar e política para a Rússia de Vladimir Putin.

A PERSISTÊNCIA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NA SOCIEDADE BRASILEIRA

Samuel Farias - Simone de Beauvoir
A violência contra a mulher existe. Há abundância de estudos, pesquisas, relatos e reportagens que comprovam que esse mal ainda não foi extirpado da nossa sociedade. Muitas ideologias surgiram para explicar a existência desta violência e propor soluções. Dentre tantas ideologias, uma ganhou força nas últimas décadas: a ideia de que a causa seria que supostamente vivemos em uma sociedade patriarcal que oprimiria as mulheres e que somente a intervenção do Estado poderia mudar esse panorama.

A Estratégia de Eduardo Cunha


A mitologia grega nos brinda com a história de Midas, um rei que conseguiu do deus Baco o poder de transformar tudo que tocava em ouro. Num primeiro momento, tamanho poder, é claro, lhe trouxe grande alegria, contudo logo ele percebeu que não poderia tocar em nada e nem em ninguém e que, portanto, esse poder seria a razão da sua própria morte. Caso semelhante vive o Presidente da Câmara, o poder que lutou para conseguir está em suas mãos, mas a execução pode representar o seu fim político.

A Oposição?


Dizem, as más línguas é óbvio, que o PT tem no PSDB o principal apoio para consolidar seus objetivos de poder. E isto é, no mínimo, curioso, sobretudo, tendo em vista, que o ninho tucano é o maior interessado e aquele que seria automaticamente beneficiado em impedir a concretização desse plano.

A Estratégia do governo Dilma

Samuel Farias - Eduardo Cunha e Dilma
Tal qual Roberto Jefferson em 2003, Eduardo Cunha é um daqueles personagens que fazem eclodir a realidade do que é a política. Sua ascensão trouxe, pela primeira vez, de fato, instabilidade ao projeto petista de poder. O seu perfil agressivo e pragmático e sua forma, digamos, "franca" de fazer negócio acuaram o governo, mas caminham para um acordo que preserve a ambos.

O personagem do impeachment


A esquerda brasileira, ao perceber o barulho causado pelas ações de Eduardo Cunha contra o PT na Câmara dos Deputados logo o apelidou de Frank Underwood. O personagem inteligente e – por que não? – carismático da série da Netflix que age sem ética em busca do poder.

Apesar de ser um apelido, do ponto de vista político interessante, Eduardo Cunha está longe de ser semelhante ao personagem interpretado pelo ator Kevin Spacey. O Presidente da Câmara dos deputados é bem menos sutil e discreto que o protagonista de House of Cards e suas ações são mais previsíveis. Na verdade Eduardo Cunha tem um estilo político semelhante a de Cercei Lannister, de outra série, ainda mais popular, Game Of thrones. Tanto Cercei, quanto Cunha, são reativos, explosivos e dificilmente recuam. Mesmo os acordos de aliança estabelecidos são feitos em forma de ataque, seja pela força, seja pelo dinheiro, seja pela posição de poder.

OS ERROS DEVEM SER INDIVIDUALIZADOS


O futebol olímpico, que não possui nenhum vínculo com a FIFA, é a prova de que o futebol, enquanto esporte, não pertence a instituição suíça e que qualquer pessoa ou instituição pode criar torneios a sua revelia. A FIFA tem um caso de gestão eficiente de um espetáculo esportivo que gera enorme valor sobre os concorrentes, o qual estamos tão familiarizados, que associamos o tipo de espetáculo a quem o promove.

ATÉ LOGO IMPEACHMENT


Apesar de o recuo ter gerado constrangimento e enfraquecimento da imagem do Senador Aécio Neves junto a uma parte do seu eleitorado, o PSDB agiu corretamente em desistir - ao menos por ora - do pedido de impeachment da Presidente Dilma. O partido tinha muito mais a perder, do que a ganhar.

A POBREZA DO DEBATE SOBRE A DELINQUÊNCIA JUVENIL NO BRASIL


Samuel Farias - Delinquência Juvenil
O homem nunca teve rumo. Em todo o tempo ele procurou explicações sobre a sua existência e as questões que o cercam, mas nunca soube aonde procurá-las. Inventou a roda, o avião e as chamadas de vídeo a longa distância de um aparelho celular, porém jamais conseguiu resolver os enigmas mais importantes da vida. Não há consenso, exceto em grupos que se isolam e, consequentemente, se opõem, contudo esse consenso se dá por meio de uma compreensão unilateral da questão. A mente do homem tem dificuldade para unificar o que está em oposição. Geralmente optamos por uma das alternativas e, deste modo, não vemos como - não raro - elas se completam.

Investir no modelo brasileiro de educação pública não dá retorno


Salário dos professores teve aumento de mais de 100%,
mas a qualidade do ensino piora nas escolas públicas
Em nossa sociedade existe uma crença generalizada e frenética tão enraizada na mentalidade popular de que se o governo gastar mais em educação pública, então, fatalmente, ela vai melhorar. Mesmo diante de uma gama de evidências que desmentem, os arautos insistem negar a realidade num fenômeno semelhante à dissonância cognitiva.

Os apóstolos dessa ideologia pedem agora que o Brasil destine 10% do seu PIB para a educação pública, que o salário do professor seja alto e o ensino seja em tempo integral. Segundo eles, com essas três medidas o país se tornará rico, os problemas serão sanados e haverá qualidade de vida.

O perfil do médico brasileiro - Como é? por que é? Precisa ser assim?


O CREMESP traçou o perfil dos recém-formados em medicina em São Paulo e constatou que o perfil do médico paulistano é mulher, jovem, branca, que apenas estudou, e, cuja renda familiar menos de 3% da população brasileira tem acesso.

Não há problema algum em ricos escolherem uma profissão e nem em haver ricos, o país precisa de mais ricos e de que mais brasileiros se profissionalizem. 

MERITOCRACIA

A CRÍTICA À MERITOCRACIA GERALMENTE SE BASEIA EM DOIS ESPANTALHOS, o de que a ideologia da meritocracia é o entendimento que o sucesso se baseia simples e unicamente pela capacidade e de que a vivência em sociedade é uma disputa semelhante a uma corrida, na qual só há um vencedor e que todos os demais perdem.

É PRECISO SUPERAR A CULPABILIZAÇÃO PARA AJUDAR O OUTRO



Não existe uma fórmula para viver bem e feliz, uma hora ou outra, inevitavelmente passamos por problemas e nesses momentos é comum buscarmos apoio num familiar, no cônjuge ou em amigos e a resposta que geralmente recebemos, mesmo daqueles que gostam verdadeiramente de nós é uma reflexão de como foram atitudes nossas que desencadearam na situação que agora padecemos. Esse retorno do outro frente ao nosso pedido, porém, não traz nenhum efeito positivo para quem esta sofrendo, pelo contrário.

A proteção aos cultos de origem africana


Samuel Farias - Culto de origem africana são protegidos pelo Estado
Houve certa comoção pelo indeferimento ao pedido do MP para retirada de vídeos de igrejas evangélicas demonizando, dentro do seu sistema de crença, os cultos afro-brasileiros e uma má interpretação do que o magistrado, Eugênio Rosa de Araújo, afirmou na sua decisão por parte da mídia e consequentemente da população. Deste fato veio a questão que apenas a filosofia pode responder, afinal os cultos de origem africana constituem uma religião?

O que mais chamou atenção da população não foi necessariamente a decisão de indeferir o pedido do Ministério Público e sim o fato de o juiz ter dito que os cultos de matriz africana não constituem uma religião. A imprensa, a OAB-BA e o MP, que recorreu da decisão, deram a impressão equivocada ,ao comentar o caso, que o magistrado havia preterido os cultos afro-brasileiros em relação as religiões em voga no país. Todavia ele apenas corrigia o Ministério Público que chamou os cultos de matriz africana de religião, quando, de fato, não são e isso não se constituiu em um demérito, sequer é algo que diminua o direito a proteção estatal dado às religiões.

JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS


Samuel Farias - Justiça com as próprias mãos

A questão sobre a legitimidade de se fazer justiça com as próprias mãos tem gerado uma enorme discussão nas rodas de amigos, nas redes sociais e na mídia em geral devido a grande repercussão no noticiário recente.

O brasileiro sempre sentenciou pessoas, predominantemente do sexo masculino, à morte por supostos e por reais crimes, basta uma pesquisa no Youtube e no Google e encontraremos notícias e vídeos antigos e novos de homens sendo linchadas, queimados vivos, amarrados a postes e sofrendo uma série de outras penalidades. O sentenciamento popular só tem ganho repercussão devido a ação de vingadores no Rio de Janeiro, exatamente porque aconteceu no Aterro do Flamengo, bairro nobre da cidade, foi divulgado por uma pessoa com uma certa influência e o preso era pobre, negro e menor de idade. Somente a partir deste caso que a mídia passou a dar destaque ao fato que já era comum na nossa sociedade.

ANALFABETISMO FUNCIONAL


Recentemente o Brasil foi apontado como um dos países que não atingiram a meta de redução do analfabetismo. Existem ainda no Brasil pessoas que não sabem ler e nem escrever uma frase inteira, mas há um mal ainda maior no nosso país, um mal silencioso, encoberto por diplomas, posição social e instituições: a incapacidade de interpretar um texto. 

Samuel Farias - Analfabetismo funcional
O analfabetismo funcional é muito pior que o analfabetismo na medida que o analfabeto diante de um texto simplesmente afirma que não sabe o que esta ali (é óbvio que não é bom não saber, mas quando a pessoa tem consciência que não sabe, geralmente se abre para descobrir o novo e assim o acesso ao conhecimento não fica inviabilizado), enquanto que o ignorante funcional crê que entendeu, quando na verdade não entendeu e a partir dessa conclusão puramente dogmática faz acusações e indagações sobre o autor e/ou o texto completamente infundadas e, como não enxerga a sua condição de agnóstico, se fecha para o conhecimento.


A objetização do outro sob justificativa "nobres"





Numa discussão na qual eu defendia as liberdades individuais e direitos humanos sofri uma acusação quando contestava a legitimidade que o Estado tem de decidir executar e fazer cumprir que eu pague parte do meu rendimento a ele para que ele, em troca, mesmo contra a minha vontade, assegure o meu bem-estar e o dos meus semelhantes. Disse, o grupo que me contestava, que eu só defendia a liberdade individual, a não iniciação de violência e a ilegitimidade do Estado sobre quem não o deseja porque eu estava preocupado com o meu dinheiro. No calor de tantas perguntas em série, da quantidade de coisas que eu tinha pra falar e do curto tempo acabei deixando esse ataque moral passar, mas a seguir respondo à altura e de forma racional.

POLÍTICA BRASILEIRA - UM FRONT DE BATALHAS



Recentemente o psolista Plinio de Arruda Sampaio disse que o governador Alckmin é honesto e tem recebido uma enxurrada de críticas, sobretudo do PT e dos seus correligionários na internet, sob a alegação de ser "de direita". O Jornalismo Wando, com sua ironia, costumeiramente pró-PT, também endossou as críticas ao PSOL e a Plínio Arruda Sampaio pelos comentários não caluniosos contra adversários políticos.

É curioso esse comportamento vir exatamente do Partido dos Trabalhadores que sempre se disse vítima de ataques desonestos, que desvirtuavam um determinado discurso, desqualificando o discursante, baseado em uma suposição (proposital ou não) além do que, de fato, foi dito.

A metástase do preconceito



Essa charge, que não deve ser entendida apenas como uma reflexão sobre mulheres e sim sobre pessoas, retrata muito bem os padrões de palavras que adotamos para rotular os outros, sem questionar o contexto onde elas estão inseridas.

Existem palavras que, quando ditas por outra pessoa, despertam em nós um alerta que nos faz presumir tudo o que o outro disse, vai dizer e pensa. Uma ou duas palavras, geralmente já bastam.

No campo intelectual, recentemente o filósofo Paulo Ghiraldelli foi chamado de pedófilo, tudo porque escreveu um texto sobre sexo entre adultos e crianças e impedido de prosseguir com um evento dentro da sua própria Universidade porque um grupo de alunos o chamou de machista e homofóbico. Luiz Felipe Pondé também foi expulso de um evento porque supostamente seria racista por se opor as políticas de cotas. Completou um ano a poucos dias o texto sobre tortura do psicanalista Contardo Calligaris na Folha que precedeu uma série de acusações de que ele estava incitando a violação de direitos humanos. 

A DIFERENÇA ENTRE AS MANIFESTAÇÕES NA VENEZUELA E BRASIL




QUAL A DIFERENÇA ENTRE AS MANIFESTAÇÕES NA VENEZUELA E NO BRASIL?

Venezuelanos e brasileiros tem em comum apenas o fato de estarem insatisfeitos e de serem fortemente reprimidos pelo Estado, contudo o objeto da insatisfação é completamente diferente e isso é fundamental para responder essa questão.

A violência nas manifestações














A VÍTIMA E AS VÍTIMAS



Eu me posiciono a favor das manifestações contra o governo, principalmente esse "nosso" governo, mas ainda me sou contrário as revindicações (+ saúde, +educação, +Estado, etc.) e, SOBRETUDO, aos métodos violentos, tanto aqueles que intentam agredir propriedade privada e jornalistas, quanto aqueles que agridem o direito das pessoas de ir e vir. 

A felicidade não existe ou ela é um mal social


Samuel Farias -
A felicidade não existe ou ela é um mal social
Havia um antigo provérbio grego que dizia que "a melhor das coisa é não nascer", deixando clara a ideia de que é impossível impedir o sofrimento, todavia para o filósofo Epicuro felicidade é não sentir dor. Ora se felicidade é não sentir dor, e ela é inevitável, então será possível o homem ser feliz? E se não, a felicidade de fato existe ou é apenas uma ilusão?

Segundo Aristóteles "toda arte e toda investigação, bem como toda ação e toda escolha visam um bem qualquer" e que todo bem que desejamos tem como fim o sumo bem que é a felicidade. Lao-Tsé já dizia que a felicidade nasce da infelicidade, pois é o sofrimento físico ou psicológico, real ou imaginário que nos move na busca do alívio. É a dor que nos dá razão para conseguirmos alegrias e as coisas que damos valor.

Atualmente o Facebook é o local onde as pessoas cultuam a felicidade como a razão de suas vidas, porém isso não é recente, a nossa espécie sempre a idealizou. Para o homem selvagem a felicidade era um lugar seguro para dormir, onde pudesse se abrigar do frio e da chuva, não precisar arriscar sua vida em uma caça para se alimentar e alguém com quem pudesse copular.

Dirceu e Genoíno - A Novela Petista


Samuel Farias - Novela petista
As novelas do horário das nove horas na Rede Globo fazem parte da nossa cultura de tal modo que muitas vezes fantasiamos o personagem da ficção na realidade. 

Essa idealização já era comum através do cinema, como por exemplo a ideia de um príncipe encantado como nos filmes e desenhos da Disney. Na mesma direção as novelas criaram protagonistas com determinados perfis e nós, não raramente, idealizamos o mocinho e a mocinha nas nossas relações, contudo, desta vez, essa paixão avança sobre um novo cenário: a política.

A crítica vazia ao dízimo cristão e o dízimo da ATEA


Samuel Farias -
Daniel Sottomaior e o dízimo ateísta da ATEA
Rousseau infantilizou o homem. Para ele o indivíduo é bom, a culpa do que ele faz de ruim é toda da sociedade. Essa crença isenta a pessoa de tudo. Note, vendem um produto, a pessoa compra, na visão rousseana não foi a pessoa quem escolheu o produto, quem escolheu foi o marqueteiro, que de algum modo sobrenatural invadiu a mente do ouvinte e o obrigou a escolher aquele produto, mas não obrigou a todos, os seguidores do filósofo tem uma mente treinada para dizer não, só os outros, pobre coitados, que são alienados e manipulados por essa grande mídia perversa e por esse mercado malígno. Quanta pretensão.

Baseado no pensamento do francês a ATEA  vem acusando as igrejas cristãs de darem uma falsa liberdade aos cristãos no que concerne ao dízimo. O pensamento deles é que o dízimo não é uma doação, porque o religioso é manipulado a doar, baseado no medo de ir para o inferno. O pensamento é falso.

O respeito a coisa pública e a responsabilidade pela violência nos estádios de futebol


Samuel Farias -
Torcida organizada do Atlético-PR ataca torcedores vascaínos
No jogo Vasco e Atlético-Pr, válido pela última rodada do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2013, a segurança do estádio foi insuficiente para conter a violência da torcida do time paranaense contra os cariocas em Joinville-SC . 

As cenas chocantes de violência trouxeram uma grande questão para quem estava assistindo o jogo: Por que não havia policiamento para garantir a segurança do evento?

A censura e a oposição ao belo


Samuel Farias - Izabel Goulart se despede do
Rio de Janeiro e mostra corpo perfeito
Eu não tenho o hábito de buscar notícias sobre personalidades da mídia, mas muitas pessoas tem esse hábito. O consumo de notícias de fofoca e sobre a vida alheia é alto e se dá na medida que há enorme demanda. As pessoas desejam saber, o empresário quer informar e, não raro, a própria personalidade quer ser retratada. Eu considero fútil esse tipo de informação, mas aquilo que eu dou valor e aquilo que eu não atribuo valor não devem ser imputados aos demais. Cada um deve dar valor aquilo que lhe der significância. 


Escândalozinhos


Samuel Farias - Eduardo e Aécio protagonizam os escândalozinhos
Dois microescândalos agitaram a corrida ao Palácio do Planalto. Na propaganda de Eduardo Campos foi mostrado uma faculdade particular como se fosse pública e na propaganda de Aécio Neves a van que o Presidente do PSDB aparentemente estava comete uma grave infração de trânsito.

A política nas escolhas das palavras



O fazer política no Brasil é repleto de sutilezas e uma delas é a escolha das palavras. Quando Dilma escolheu o seu "presidenta", seus opositores atacaram e evitam usá-lo, enquanto que os seus apoiadores não se cansam de repetir a expressão que não esta errada.

Com Marina Silva também observamos a expressão a serviço da política. Aqueles que são favoráveis se referem a sua empreitada como 'a' Rede e os que são contra dizem 'o' Rede e embora os dois estejam corretos gramaticalmente a escolha dessa pequena palavra representa um enorme indício da mensagem e do posicionamento político que se pretende dar. Note

Dilma - O discurso na ONU


Certa vez em uma visita a uma comunidade muito pobre no nordeste brasileiro com a ONG que fundei conheci um menino, cujo nome vou preservar, que vivia em grave situação de vulnerabilidade social. A família não possuía as mínimas condições de prover as refeições e ele ficava dias sem se alimentar. Na ocasião ele me contou que para enganar a fome bebia água, pois quando ingeria o líquido ele ficava com a barriga cheia e tinha a sensação de que estava saciado, contudo ele precisava dos nutrientes dos alimentos.

O discurso da Dilma na Assembléia das Nações Unidas satisfez os brasileiros. Todos nós gostaríamos de dizer algumas verdades aos americanos que invadiram nossa privacidade e acessaram informações pessoais sem permissão. Quem esses americanos pensam que são? O Obama acha que é o rei do mundo? Qualquer discurso brando, vago ou menos agressivo seria tido por nós como imoral e acarretaria um enorme dano eleitoral a petista, mas ela não deu esse gostinho a oposição, afinal ser anti-americano, em período eleitoral da voto.

Dilma e o dilema do líder


Me recordo que na minha infância, um período de grande pobreza, nós só não passávamos fome devido ao salário do meu pai, o único que trabalhava, em uma família grande, em tempos difíceis cujo emprego era coisa rara.


Meu pai, hoje um septuagenário, é um homem orgulhoso, honrado e altivo. Certa vez fui a seu trabalho e presenciei uma cena horrível em que o seu patrão o humilhava. Eu, ainda moleque, intervi na defesa do meu progenitor e o seu chefe o desmoralizou pra mim, na sua frente, que cabisbaixo fez sinal para que eu não insistisse e aceitou calado aquela humilhação.

Ética nas políticas públicas


A ética é fundamental na política. A falta de ética corrói e descredibiliza a nossa democracia, mas infelizmente os brasileiros, no geral, enxergam de modo limitado essa questão

O comportamento do político sem ética é visto no mensalão, nepotismo, peculato, tráfico de influência, dinheiro na cueca, desvio de verba pública para conta pessoal. Essas são notícias que nos chocam e nos indignam e naturalmente denunciamos como corrupção, porque nós vemos bem a corrupção do ser, do político, contudo também as políticas públicas precisam de ética.

A renuncia do Papa - A igreja atemporal

Samuel Farias


R
ecebi um e-mail de um amigo (neo)ateu zombando: “kkk [sic], o papa renunciou, a igreja católica acabou”, ao ler, depois de certa estranheza com a palavra renuncia referindo-se ao Papa, me veio a imagem do trono de São Pedro vazio. Prontamente fui à internet e as manchetes de todos os jornais confirmavam em parte o que esse amigo falara. Em parte porque, de fato, Bento XVI renunciou, no entanto a igreja não acabou, muito pelo contrário.